No ar desde 15/02/2000 - Obrigado pela sua visita -


Agenda
Amigos Virtuais
Aniversário
Balcão de Empregos
Cartão Postal
Charadas
Classificados
Clientes
Colunistas
Curiosidades
Eleições
Enigmas
Eventos
Fotos
Guia Eletrônico
Ilusão de Ótica
Livraria Papa-Siri
Mágicas
Noticias
Piadas/Lazer
Receitas

Fale conosco
 
 
 
 


O que é a Aids?

Aids (ACQUIRED IMMUNODEFICIENCY SYNDROME) é a sigla em inglês para Síndrome de imunodeficiência adquirida (Sida), provocada pelo HIV. Esse vírus destrói o sistema de imunização das células, fazendo com que a imunidade vá diminuindo progressivamente e tornando a pessoa suscetível a outras doenças. Uma pessoa contaminada com o vírus pode ficar anos sem ter sintomas da doença.

 

A descoberta do HIV

O cientista americano Dr. Robert C. Gallo, em 1979, descobriu o primeiro retrovírus humano, o HTLV, que se transmitia por contaminação sangüínea, por relações sexuais, e de mãe para filho no momento do parto. Em 1982, ele descobriu um segundo retrovírus humano, o HTLV-2. E após mais estudos, anunciou a descoberta do HTLV-3, que afirmou ser o causador da AIDS.

Paralelamente a isso, a equipe do professor Jean Luc Montagnier, do Instituto Pasteur de Paris, identificou outro retrovírus, com características diferentes do HTLV-1 e 2, mas que era transmitido da mesma forma, o LAV (Lymphadenopathy Associated Vírus, ou Vírus Linfadenopático da AIDS). Houve muitas discussões entre os dois grupos de cientistas pelo reconhecimento da paternidade do vírus causador da AIDS. Após muita controvérsia, em maio de 1986 as partes chegaram a um entendimento em que ambos os vírus passariam a ser conhecidos apenas como HIV - Human Immunodeficiency Virus. Hoje, porém, sabe-se que o HTLV-3 foi uma renomeação do vírus descoberto pela equipe de Montagnier, fato reconhecido pelo Dr. Robert Gallo.

Em 1986, as equipes do Instituto Pasteur e da universidade de Harvard descobriram na África Central outro agente causador da AIDS, o HIV-2, semelhante ao HIV-1, porém menos agressivo. E acredita-se que ambos podem ter evoluído do mesmo progenitor.

Testes feitos no cadáver de uma chimpanzé detectaram um vírus muito semelhante ao HIV. Não havia sido feita nenhuma pesquisa sobre AIDS no animal e ele nunca recebera sangue humano. Dessa forma, pesquisadores acreditam que o HIV tenha se desenvolvido, provavelmente por mutação natural, a partir do Vírus da Imunodeficiência Símia (SIV). Ainda não se sabe como o vírus se transferiu do macaco para o homem, mas pode ter sido pela ingestão da carne crua do chimpanzé infectado, por ferimentos em lutas corporais, por zoofilia ou por utilização de sangue ou órgãos do animal no desenvolvimento de vacinas.

Curiosidades

· Até 1982, a doença era conhecida como "GRID" - Gay Related Immune Deficiency (Deficiência Imunológica Relacionada com Gays). Quando se descobriu que a doença também atacava heterossexuais, o nome foi mudado.
· Desde a chegada da aids, no começo da década de 1980, quase cem mil brasileiros já morreram por causa da doença.
· Uma pesquisa do Ministério da Saúde, realizada em 1999, revelou que oito em cada dez homens, na faixa etária de 25 a quarenta anos (portanto, a mais ativa da população), fazem sexo sem camisinha.
· O uso da camisinha subiu nos últimos anos. Os 53 milhões vendidos no Brasil em 1992 saltaram para 300 milhões em 1998.
· O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) calcula que existem 49,8 milhões de brasileiros na faixa etária de quinze a 69 anos. Ou seja, os 300 milhões de camisinhas indicam que cada homem em idade sexualmente ativa consome apenas seis preservativos por ano.
· Em 1999, o Núcleo de Estudos para Prevenção da aids, da Universidade de São Paulo, anunciou que 71% das mulheres soropositivas tinham contraído o vírus por meio do marido ou parceiro fixo, com quem se relacionavam havia mais de um ano.
· É errado pensar que a aids e as DSTs (doenças sexualmente transmissíveis) são doenças exclusivas de pessoas promíscuas (com vários parceiros), homossexuais, bissexuais ou usuários de drogas. Essas infecções estão atingindo um número cada vez maior de pessoas dos grupos considerados sem risco. Hoje a relação é de dois homens para uma mulher contaminada. Essa relação já foi de 25 homens para uma mulher (no início da epidemia).

 



 




© inaugurado em 15/02/2000. Todos os direitos reservados. - Itajai On Line