No ar desde 15/02/2000 - Obrigado pela sua visita -


Agenda
Amigos Virtuais
Aniversário
Balcão de Empregos
Cartão Postal
Charadas
Classificados
Clientes
Colunistas
Curiosidades
Eleições
Enigmas
Eventos
Fotos
Guia Eletrônico
Ilusão de Ótica
Livraria Papa-Siri
Mágicas
Noticias
Piadas/Lazer
Receitas

Fale conosco
 
 
 
 


Itajaí On Line

 

Divirta-se, semanalmente novos enigmas para você !!


A Lenda dos Vampiros
O INICIO DA SAGA...

As histórias acerca dos mortos-vivos datam desde as civilizações da Assíria e Babilônia. Registram-se casos de vampirismo na China, bem como em regiôes do norte da África. Na Grécia, assim como por todo mar Egeu, encontram-se lendas que falam de espectros, cujos cadáveres não podendo corromper-se no túmulo, voltam para o mundo dos mortais, passando a alimentar-se do sangue dos vivos. Estas criaturas são os Broncolaques, ou Vroncolaques. O termo Vampiro é, segundo alguns estudiosos, relativamente novo, surgindo por volta do século XVIII. Sua origem parece ser eslava. Em sua forma vampir, é invariável nos idiomas húngaro, russo, theco, sérvio e búlgaro. São estes povos, os eslavos e balcânicos, que manifestam o maior número de lendas, sobre este terrível flagelo. Afirma-se que, desde o século X, circulam histórias de mortos vivos nesta região.Seres deste tipo seriam encontrados na Turquia e países Árabes, sendo conhecidos como Gloles, na Europa são conhecidos como Vampiros.

A TERRA DOS VAMPIROS

A Europa Oriental é uma região misteriosa e complexa, tanto política como geograficamente. O termo Europa Oriental é recente e definia-se basicamente por um critério político, na medida em que abrangia os países do chamado "Socialismo Real" (Alemanha Oriental, Tchecoslováquia, Hungria, Romenia, Bulgária, Iuguslávia, Albânia e a parte européia da URSS), mais a Grécia e parte da Turquia.

Atualmente verifica-se várias mudanças nesta parte do planeta: a Alemanha Oriental não mais existe. A Tchecoslováquia dividiu-se em duas. A Iuguslávia dividiu-se em vários países e vive uma Guerra Civil. Com o fim da URSS, vários países também surgiram (Estônia, Letônia, Lituania, Bielo Rússia e Ucrânia.)

MAPA EUROPA

Principais regiões vampirescas da Europa Oriental:

Transilvânia: é a mais famosa região de vampirismo que se conhece. Pertencente à Romênia desde 1918, fez parte do antigo Império Austro-Húngaro.
Valáquia: outra região da Romênia. Antigo principado no sudoeste da Europa, criado no século XVIII. Esteve sob domínio turco de 1460 a 1859, ano em que unificou-se com a Moldávia para formar a Romênia. Faz fronteira com a Transilvânia.
Rutênia: Também conhecida com Ucrânia subcarpática. Antiga região da Thecoslováquia. Foi tomada pela Hungria em 1939. Em 1945, foi cedida a ex- URSS.
Eslováquia: Região da Thecoslováquia de 1918 até 1952, quando declarou-se independente.
Morávia: Antiga província da Thecoslováquia: Sua capital é Brno. Forma hoje com a Boêmia a República Theca.
Boêmia: Histórica região da Thecoslováquia.

FICÇÃO???

Vampiros, apenas ficções vulgares de um irlandês demente?
Quando uma pessoa resolve falar de Vampiros, não importa o que, Vampiro: A máscara, quantas pessoas morreram queimadas, etc... Sempre tem alguém para perguntar: Vampiros existem?
E quase ninguém responde, todos dão a sua opinião, até porque, conseguir algum fundamento histórico para provar que eles existem, existiram, podem existir ou não, é muito difícil, mas foi levantado alguns fatos:
· Para começar temos que achar uma explicação para como surgiu o primeiro Vampiro (o que não é fácil, mas se pensarmos bem, quantas vezes nós já não vimos "aberrações", sem querer ofender alguns, porque essa é a palavra mais adequada, em programas de TV como o "Ratinho Livre", como o caso das gêmeas siameses, que "dividem" uma parte do corpo.
· Como os cientistas acreditam, todos estão sujeitos a mutações, que ocorrem pelo acaso, não importando no que ela influêncie, se ela trás um bem ou não. O que nos importa é a possibilidade de alguém sofrer, ter sofrido ou sofrerá uma mutação que possa dar a dependencia de sangue ao invés da dependecia de alimento. Considerando isso, nós podemos concluir que essa "aberração" seria estéria e não sentiria atração sexual por qualquer ser existente na Terra, porque ele seria o único.
· Mas essa é a parte mais fácil da Teoria da Existencia de Vampiros, a parte mais difícil é a de como explicar efeitos da Luz do Sol na pele dos Vampiros ou razões para os mesmos odiarem alho e cruzes. Vamos começar pela a necessidade de "chupar" sangue:
-Pelo ponto de vista de especialistas, essa necessidade é para obter nutrientes e tudo o que necessário para um ser vivo sobreviver, que no final é carregado pelo sangue, e se o Vampiro utiliza-se disso para se alimentar, já excluiria a necessidade dele ter um instestino e outros órgãos que nós utilizamos para digerir algum alimento, pois já que quem digere é a vítima do Vampiro.
· Mesmo com tudo isso, só conseguiremos saber partes da história, faltando explicações claras para fatos como: Criar outro Vampiro, a ação da Luz do Sol, a necessidade de dormir em um Caixão, etc...
· Através da leitura de alguns livros, os autores diferem na maioria desses tópicos não explicados, como:
-Na obra adaptada de Drácula de Bram Stoker, Dracula Bram Stoker da editora Heinemann, o autor fala que para criar um outro Vampiro basta apenas abraçá-lo, sem chupar o sangue do humano. Mas como nós sabemos (ou achamos) na verdade é necessário dar um pouco do sangue do Vampiro para sua vítima. Sem contar que, tanto nessa adaptação quanto no Dracula original, não é mencionado o fogo como uma das formas de matar um Vampiro.
-Outra diferença é que Anne Rice em Entrevista com o Vampiro, Crônicas Vampirescas e Os Meninos perdidos são desconsiderados os poderes do Alho, que antigamente era muito poderoso, mas hoje é descartado.
Por isso podemos concluir que grande parte desse fatores são apenas "ficções vulgares de um irlandes demente". E torna possível o mito do Conde Drácula ser verdade, porque uma "aberração" iria se esconder por causa da sua diferença e se isolar em um lugar sombrio como o seu castelo na Transilvania, afinal: "A arte é uma mentira que revela a verdade", como disse Pablo Picasso.

VAMPIRISMO E CRISTIANISMO

O Velho Testemento adverte contra beber sangue:
"Exetuo-vos somente a carne misturada
com sangue da qual eu vos defendo de não comer"
(Gênesis 9:4)
"Quarda-te somente de lhes comer o sangue:
por que o sangue lhe serve de alma e
por isso não deves comer a alma com a carne"
(Deuterionomis 12:23)
A muito tempo atrás, a igreja cristã começou a abrir as asas através da Europa, e os vampiros estavam estabelecidos como mitos. Os vampiros eram criaturas que faziam parte da superstição humana desde a Grécia Antiga.
As raízes dos Vampiros eram naturalmente Pagãs, e a fé estava espalhada pela Europa. A relação estava formada entre os Vampiros e o Deus Ebreu, e formou-se a ciranda de história ironicas.
Ironia n°1 - O que eles procuram destruir, eles dão vida.
A Igreja Cristã não tinha estabelecido uma estancia para os Vampiros quando ela se separou em 1054. Contudo, a fé das igrejas Catolicas resultaram na Igreja Católica Romana no oeste europeu e a Igreja Ordotoxica no leste - que podem ser diretamente ligadas ao mito vampírico que continuava à penetrar no leste europeu.
Os Católicos Romanos acreditavam que os corpos dos seus santos não deteriorariam nas sepultura: instantaneamente, eles pernameceriam intaquitos e exalariam um doce odor. Contudo, a Igreja Ordotoxica achou mais difícil, inicialmente porque isso abalaria as raízes Pagãs, e ela via um cadáver que não tinha se deteriorado como um sinal do mau.
Por descuidos, ambas as igrejas não tinham formado uma estância para os Vampiros, e os colocaram como parte da fé Pagã, que era naturalmente antiquada e anti-cristã. O Paganismo, estava longe de ser uma religião organizada, era um pouco mais que uma coleção de conhecimentos populares e mitologias disorganizadas. Ele era possuido por campones ativos que não tinham uma educação formal e por outros dos quais não passam de superstição.

Com o passar do tempo, a Igreja Católica Romana cresceu preocupada com a estabilização da mitologia Pagã que poderia conquistar a fé dos novos católicos, na qual a Igreja estava usando para tentar se expandir. Como o esperado, ela começou uma invetigação sobre a mitologia vampírica. A igreja, com a intenção de fazer a fé Cristã se espalhar, assim declarou o fim do Paganismo (que era chamado de witchcraft), e o vampirísmo começou a ser ligado com Satan.

E eles fizeram um decreto, do qual falava que corpos reanimados eram como diabos a mando de Satan. Como resultado, esse vampiros fugiriam de coisas divinas, como: "crucifíxos, aguabenta e da ostia" A grande ironia desse período, não foi o fato da Igreja agir para acabar com as mitologias Pagãs, mas sim o próprio decreto dela que concedeu uma validade histórica para os Vampiros. Então estes influenciaram os filmes e novelas um pouco antes do século 20, que ainda mostravam os Vampiros como criaturas satanicas, feitas e desamparadas quando confrontavam contra coisas do verdadeiro Deus Ebreu.
Ironia n° 2 - Essa coisa má, melhor representada por homens santos e seus trabalhos.
Com o andar do tempo, numerosas reportagens e tratamentos foram emitidos pela Igreja Católica. Elas foram feitas por volta de 1600 - 1800 D.C. que foi trabalho de bispos, sacerdotes, monges, etc. Os Vampiros continuaram se espalhando através da Europa, que estava completa de caçadores de bruxas e Vampiros, missas de exumações e vários corpos que eram queimados ou incravado estácas em seus corações como tentativa de livrar seus vilarejos de Vampiros. E isso se tornou uma área de constantes estudos feitos pela Igreja.
The Malleus Maleficarim, publicado pela Igreja em 1486, foi o guia para os descobridores e erradicadores de bruxas. E ele também falava do vampirismo e sua ligação com Satan, que fazia parte das criaturas maléficas.

Em meados de 1600, esse tratado começou a ser usado como "Bíblia" dos caçadores de bruxas e Vampiros que cruzavam a Europa. O tratado também incluia um pouco da visão vampírica.

Dom Augustin Calmet (1672-1757) foi um monge da ordem de Benedito. Seu trabalho, Treatise on The Appearance of Spirits and on Vampires (Tratado de aparencia de Espíritos e Vampiros), tentou separar os Vampiros da ligação com as forças satanicas e demoniacas. Ele descreveu que o Vampiros eram simplesmente corpos mortos dos quais ressucitaram, e os proclamaram superstição. Por causa disso ele estava sobre pressão de radicais, que o fizeram retirar suas declarações. Seu trabalho ainda estava em circulação em uma Era quando a história estava com muitos caçadores de bruxas e Vampiros, a Idade Média.

Depois da histeria da praga-enigmática na Idade Média que tinha morrido, importantes pesquisas foram conduzidas para dentro da mitologia vampírica. Provavelmente o melhor cronico de histórias vampíricas, em Eras passadas, foi o lendário Montague Summers. Eles foi decretado bispo da Igreja Anglicana em 1908, mas depois ele deixou a Igreja Anglicana em favor da Igreja Católica Romana. Ele conduziu numerosos estudos para dentro das coisas sobrenaturais. Suas duas melhores obras conhecidas e publicadas foram The Vampire: His Kith and Kin e The Vampire in Europe, que são temas de pesquisas sobre vampiros.
Ironia n° 3 - O que eles procuravam destruir, eles deram força; a Besta os habitam.
Hoje, o Vampiro esta vivo, não mais do que qualquer tempo no passado. Góticos vestidos de preto que rodam as ruas e gabares, leitores e videomaniacos ficaram emocionados com a presença de uma Besta com caninos "sobrenaturais". A Besta os habitam, e virá a tona por muitos e muitos anos.

Os nomes dessas pesquisas Cristãs são dedicadas para fans de Vampiros como Dracula, Lestat, e outros.



 




© inaugurado em 15/02/2000. Todos os direitos reservados. - Itajai On Line