No ar desde 15/02/2000 - Obrigado pela sua visita -


Agenda
Amigos Virtuais
Aniversário
Balcão de Empregos
Cartão Postal
Charadas
Classificados
Clientes
Colunistas
Curiosidades
Eleições
Enigmas
Eventos
Fotos
Guia Eletrônico
Ilusão de Ótica
Livraria Papa-Siri
Mágicas
Noticias
Piadas/Lazer
Receitas

Fale conosco
 
 
 
 


Itajaí On Line

 

Divirta-se, semanalmente novos enigmas para você !!


Guia dos Caçadores de Vampiros

Com o passar dos tempos, certos objetos ganharam uma reputação na mesma proporção que a cultura popular procurava algo para ferir ou matar os Vampiros. Este guia leva você através de significados históricos e os raciocínios entre as maneiras de caçarmos Vampiros. Então pegue seu crucifíxo e proteja-se!

Caixões

No começo da mitologia Vampírica, os Vampiros não dormiam em caixões. Apartir do século 19, apenas os Vampíros muito ricos poderiam se dar ao luxo de ter caixões, e muitas das histórias de Vampiros não incluiam esse enterro "seguro". Realmente foi a natureza precária medieval dos enterros que provocou medo dos Vampiros, os quais poderiam sair facilmente de seus últimos descanços na Terra.

Pulando para o tempo de Dracula, os Vampiros não exigiam caixões para dormir. Todos exigiam descançar em sua "pátria", na tumba onde foi colocado seu caixão. Quando Dracula foi para Inglaterra, ele comprou um caixão, e o colocou em sua "terra natal", e nele descançava e recuperava sua força.

Hoje em dia, a melhor explicação para o freqüente uso dos caixões para os Vampiros descançarem nas histórias, é que de fato eles estão mortos e, como sabemos, ainda enterramos nossos mortos em caixões. Eles também dão proteção contra a luz do sol (que nos tempos modernos fere e mata os Vampiros). Como sempre, os caixões tem sido um alvo perfeito para caçadores de Vampiros - um aspecto vital para as historias clássicas.
Ainda nesse século, muitos escritores sobre Vampiros mudaram os antigos mitos. Em Cronicas Vampirescas, de Anne Rice, assim como todos os romances dessa década, os Vampiros não requerem nada, apenas proteção contra o sol. Criptas ou comodos lacrados são o suficiente para o que eles precisam.

Crucifixos

O crucifixo é o maior simbolo da fé cristã. Várias vezes mostrados em correntes, colares ou em rosários, os crucifixos têm o corpo de Cristo fixado na cruz. Embora o Cristianismo tinha ligado os Vampiros com o Satanismo no começo do século 16, somente depois de Dracula de Bram Stoker o crucifixo foi considerado poderoso contra os Vampiros.

Bram Stoker marcou que o crucifixo tinha poderes sobrenaturais sobre esses Chupadores de sangue. Ele usava a cruz como simbolo que representava Cristo e tudo que era santo. Porque a história Cristã pensava encorajadamente na associação de Vampiros com Satan, e um simbolo como o crucifixo seria o poder Cristão, que os protegeriam da Besta.

Em Dracula, o crucifixo drenava a força dos Vampiros. E poderia também até queimar a carne e a pele dos mesmos, ou ainda, deixar uma marca no corpo de qualquer um que tenha sido mordido por um Vampiro. As ideias de Bram Stoker foram carregadas para a literatura e filmes modernos, embora geralmente os crucifixos foram substituidos por cruz vazias, sem o corpo de Cristo fixado. Mas recentemente, os autores do século 20, começaram também a acabar com essas tradições, como fez Anne Rice, criando Vampiros que são imunes aos efeitos da cruz e de outros simbolos religiosos. Esse foi o verdadeiro mundo no qual os Vampiros não mais seriam associados com Satan e, consequentemente, não seriam mais afetados por artefatos que encorporem o poder Cristão.

Hóstia

No Cristianismo, um dos objetos mais sagrados é a Hóstia. A hóstia é o símbolo do corpo de Cristo e, junto com o vinho, representa o sangue de Cristo, que são pegos durante a Comunhão. As religiões mais antigas, como a Católica Romana, consideram a Hóstia um objeto como a existencia mística autorizada pelo espírito de Cristo.

Por aparentar ter poderes místicos, a hóstia foi usada propositalmente contra os Vampiros e até aparecia acidentalmente em outras lendas. Era usada tanto em enterros (quando o falecido tinha uma vida má) quanto para se proteger de maus espíritos. Muitos papéis de histórias religiosas citam esses outros usos para a Hóstia.

Acredita-se que Bram Stoker usava esses papéis como uma base para o poder da Hóstia em seu livro, Dracula. No livro, Abraham Van Helsing usava a Hóstia muitas vezes; ela deixou uma marca na pele de Mina quando segurava sua testa, e Van Helsing a usou também para lacrar a tumba de Lucy, até que ele podesse retornar para matá-la.

Desde Dracula, a Hóstia tem sido usada apenas por aqueles que desejavam se proteger dos Vampiros. Ela pode ser fácilmente substituida pela cruz, na qual foi colocada uma das principais qualidades da Hóstia: Queimar a pele dos Vampiros.

Fogo

O fogo tem sido considerado à muito tempo, a maneira mais efetiva para matar Vampiros. Usado desde a época Pagã como um ritual, tem a propriedade de purificação da alma má e de defesa. Muitos Vampiros teriam conhecido o destino mortal por esse modo.
Embora Dracula não tem nenhuma mensão ao fogo, existem diversos outros filmes ou livros que falam do mesmo como uma maneira de se matar um Vampiro.
No livro Cronicas Vampirescas de Anne Rice, o fogo é uma das duas única maneira de se matar um sugador de sangue, ou do mesmo se matar. O Vampiro que abraçou Lestat cometeu suicídio dessa forma, após Lestat se tornar um Vampiro.

Alho

Diferente da cruz, da qual foi perdendo a populariedade e o seus efeitos, o alho cresceu no contexto de detectar e proteger as pessoas dos Vampiros. O alho tem sido usado acidentalmente desde que era considerado uma erva e/ou um remédio. Ele foi usado como um agente de cura antes da medicina moderna, e é, ainda hoje, igualmente usado como vitamina para fortalecer a defesa natural do corpo contra doenças.

Houve rumores que o alho tivesse propriedades mágicas de defender as pessoas contra os Vampiros. A tradição o usa para encher a boca do mesmo após ele ser decapitado. Outras maneiras de usar são: colocando um colar de alho na porta da casa ou no pescoço de quem quer afastar um Vampiro.

Através da história, o alho também serviu como método para se indentificar esses Sugadores das trevas. Nos países Eslavos, a pessoa que se recusava a comer alho, significava que essa pessoa poderia ser um(a) Vampiro(a). Por esssa razão o alho chegou a ser distribuido em igrejas, para se assegurarem de que apenas humanos a frequentasse.

A primeira obra literaria a falar realmente sobre o alho foi Dracula, aonde Van Helsing o colocou em volta do pescoço de Lucy para manter Dracula e outros perigos longe dela. Desde então, o alho tem se tornado a maior ferramenta no kit dos Caçadores de Vampiros. A maior parte dos filmes e novelas tem dado algumas referencias efetivas ao alho, embora Cronicas Vampirescas e Os meninos perdidos de Anne Rice tem desconciderado o alho como uma forma viável de defesa.


Estacas


Enfincar uma estaca no coração de um Vampiro tem sido uma das melhores formas de matar Vampiros por centenas de anos. Originalmente, ela era usada como maneira de fixar os corpos dentro da terra. Antes dos caixões, a única maneira que as pessoas podiam ter certeza de que os Vampiros não escapariam dos locais enterrados, era enfincando uma estaca em seus corações e o enterrando-os com ela. Mas antes ainda de enfincarem estacas nos corações, elas eram enfincadas no estômago ou nas costas dos Vampiros.
Depois de ter sido difundido o uso dos caixões, a importância da estaca mudou. Ela tornou-se o metodo atual de matar um Vampiro, e agora ela só funciona se for enfincada em seu coração. Há dois pontos de vista comuns sobre como esse metodo funciona:
-Destruindo o coração, no qual bombeia o sangue de sua vítimas que lhe a vida.
-A estaca de madeira por si própria mata o Vampiro.

Para aqueles que acreditam que a peça principal para se matar um Vampiro é a madeira na qual é feita a estaca, aqui vão os tipos recomendados: Mogno, Ceregera e Jatobá. Bram Stoker usou esse modo violento para matar tanto Lucy como Dracula.

Luz do Sol

Tradicionalmente, não se pensou que a luz do sol matasse os Vampiros. Nos tempos mediavais os Sugadores pensavam que eram capazes de andar na luz do sol como se fossem humanos durante o dia. Como a literatura vampírica aumentou, então fizeram Vampiros contra a luz do sol.

Em Dracula, Van Helsing nota que o Vampiro pode andar por aí durante o dia, embora ele não estava com suas forças sobrenaturais. De qualquer modo os filmes e as novelas modernas falam que os Vampiros tem uma vunerabiliadade ao sol, e talvez até mortal. Em Eternamente Cavaleiro, Nick pode se expor à luz do sol, mas apenas se ela não tocar em sua pele. Porque se ela o tocar, teria varias doenças.

Em Cronicas Vampirescas de Anne Rice, a luz do sol é uma das duas maneiras de matar um Vampiro, sendo a outra o fogo. Esse metodo funciona bem com novos Vampiros, porque eles ainda estão fracos. De modo que os Vampiros de Anne Rice só eram imumes a luz do sol porque tinham vivido muito tempo, anos suficientes para crescerem e ficarem fortes contra esse mal.



 




© inaugurado em 15/02/2000. Todos os direitos reservados. - Itajai On Line